SUS inclui mais 10 terapias alternativas de tratamento

O brasileiro terá novas terapias alternativas oferecidas pelo SUS – o Sistema Único de Saúde. São tratamentos preventivos que poderão ser feitos junto com a medicina comum.

Foram incluídas práticas como aromaterapia, cromoterapia, hipnoterapia e terapia de florais.

Na lista há também tratamentos menos conhecidos, como constelação familiar, técnica de representação espacial das relações familiares – que permite identificar bloqueios emocionais de gerações ou membros da família – e imposição de mãos, descrita pelo ministério da Saúde como “cura pela imposição das mãos próximo ao corpo da pessoa para transferência de energia para o paciente”.

O ministério pretrende promover bem-estar e diminuir o estresse e a ansiedade.

Com a ampliação, anunciada nesta segunda-feira (12), serão no total 29 práticas desse tipo disponíveis para os pacientes. (veja lista abaixo)

No SUS, elas são chamadas de “práticas integrativas” ou “complementares” à medicina convencional, como mostrou o SóNotíciaBoa no mês passado. Assista aqui.

Em 2017 foram incorporadas 14 atividades, chegando às 19 práticas disponíveis atualmente:

  1. ayurveda
  2. homeopatia
  3. medicina tradicional chinesa
  4. medicina antroposófica
  5. plantas medicinais/fitoterapia
  6. arteterapia
  7. biodança
  8. dança circular
  9. meditação
  10. musicoterapia
  11. naturopatia
  12. osteopatia
  13. quiropraxia
  14. reflexoterapia
  15. reiki
  16. shantala
  17. terapia comunitária integrativa
  18. termalismo social/crenoterapia e
  19. yoga

Terapias incluídas a partir de agora

  1. Apiterapia:método que utiliza substâncias produzidas pelas abelhas nas colmeias, como apitoxina, geleia real, pólen, própolis, mel e outros
    2. Aromaterapia: uso de concentrados voláteis extraídos de vegetais, os óleos essenciais promovem bem-estar e saúde
    3. Bioenergética: visão diagnóstica aliada à compreensão do sofrimento e adoecimento; adota a psicoterapia corporal e exercícios terapêuticos, ajudando a liberar as tensões do corpo e facilitando a expressão de sentimentos
    4. Constelação familiar: técnica de representação espacial das relações familiares que permite identificar bloqueios emocionais de gerações ou membros da família
    5. Cromoterapia: utiliza as cores nos tratamentos das doenças com o objetivo de harmonizar o corpo
    6. Geoterapia: aplicação da argila com água no corpo; pode ser usada em ferimentos, cicatrização, lesões e doenças osteomusuculares
    7. Hipnoterapia: conjunto de técnicas que, pelo relaxamento e concentração, induz a pessoa a alcançar um estado de consciência aumentado para alterar comportamentos indesejados
    8. Imposição de mãos: imposição das mãos próximo ao corpo da pessoa para transferência de energia para o paciente; promove bem-estar e diminui o estresse e a ansiedade
    9. Ozonioterapia: mistura dos gases oxigênio e ozônio por diversas vias de administração; tem finalidade terapêutica e promove melhoria de diversas doenças, sendo usada na odontologia, neurologia e oncologia
    10. Terapia de Florais: uso de essências florais que modifica certos estados vibratórios; auxilia no equilíbrio e harmonização do indivíduo

Onde encontrar

Hoje, as terapias estão presentes em 57% dos 5.570 municípios do país.

Pra saber o posto de saúde mais próximo que oferece as práticas, pergunte na secretaria de saúde da sua cidade.

88% destes tratamentos são oferecidos na rede de atenção básica.

Inicialmente, apenas cinco práticas alternativas eram oferecidas pelo SUS.

Em oito anos, o número de atendimentos em terapias alternativas e complementares no SUS cresceu 670%, passando de 271 mil, em 2008, para 2,1 milhões em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

O ministério da Saúde estima que cerca de 5 milhões de pessoas por ano participem dessas práticas no SUS.

Além das novas inclusões, o ministério de Saúde também definiu as diretrizes e modo de implantação dos procedimentos termalismo/crenoterapia e medicina antroposófica, que já eram oferecidas no SUS de forma experimental.

Controvérsias

Ao menos seis das dez práticas incluídas a partir de agora não são reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina  —aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, geoterapia, imposição de mãos e ozonioterapia.

“Isso não significa que o Ministério da Saúde não possa incorporá-las, mas deixamos claro que os médicos não podem indicá-las ou utilizá-las”, afirma o presidente do CFM, Carlos Vital.

Para ele, faltam evidências científicas e avaliação consistente de riscos e malefícios. Já o ministério da Saúde diz que evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares.

Com informações da Folha e SNB

banner
banner

Faça um comentário

Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog (clique aqui). Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído