PARA QUEM É O NATAL?

AltemarNos dias que antecedem o natal, há uma movimentação bem peculiar à época, onde além das confraternizações, mensagens de boas festas, preparativos para a ceia da véspera e, promoções nas lojas, há uma maior sensibilização com a causa do pobre. É comum nesse período, se promover a distribuição de presentes a crianças pobres, doação de cestas básicas e a realização de eventos solidários, com o fim de aliviar momentaneamente, o sofrimento do próximo. Nessa ocasião é dito que o “espírito do natal” está no ar…

A julgar pelo aumento da solidariedade desse período, há muitos que afirmam categoricamente que o natal é para os pobres e desamparados, pois, afinal, o próprio Salvador, que é o tema do natal, foi um excluído da sociedade, que não encontrou lugar nas hospedarias da época e, teve de nascer num lugar que era reservado para o acolhimento de animais, uma mísera estrebaria…

As Escrituras deixam explícito, todavia, que o natal possui um caráter muito mais abrangente. O natal é sim para os pobres, pois Maria e José, o casal escolhido para receber o messias era pobre, e os pastores que receberam a visão de anjos eram pobres(Lc. 1:48; 2:8-11). Por outro lado, os magos que vieram do Oriente seguindo a estrela, eram ricos(Mt.2:1,2). Podemos dizer que o natal é para os judeus, pois foi o cumprimento da profecia feita a Abraão(Lc.1:54,55), mas que também é para os gentios, segundo as palavras dos profetas de Israel e também do velho profeta Simeão, que teve o privilégio de tomar o nenenzinho Jesus em seus braços (Lc.2:28,30-32).

O natal, então, é para todos. É para o pobre e para o rico, para o judeu e para o gentio, para o homem e para a mulher, para a viúva e para o órfão; para o grande e para o pequeno, sem nenhuma distinção.

Dentro de tal perspectiva, o natal possui uma abrangência universal, podendo tocar a vida de qualquer ser humano, descartando qualquer tipo de exclusivismo seja ele de raça, cor, língua, condição social ou econômica. Os únicos excluídos da bênção do natal são aqueles que, por conta própria, resolvem rejeitá-lo, mantendo-se deliberadamente separados do maior de todos os presentes já oferecidos em toda a história humana, como João afirma em seu Evangelho: “Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam”(Jo.1:11).

Amado, o natal não é para uma só nação, para uma única classe social, para uma religião, ou para uma elite especial. O natal é para você, é para sua família, é para toda a humanidade! Pois a Escritura afirma: “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome”(Jo.1:12).

A todos, um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de Paz!

AltemarAltemar Ribeiro de Oliveira 
É Pastor da 1ª Igreja Evangélica Congregacional de Juazeiro/BA e professor de História.   
Casado com Eudene e pai de Alexandre, Samantha e Davi

banner
banner

Faça um comentário

Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog (clique aqui). Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído