Casa Grande já absolveu Temer e condenou Lula

Pena que Gilberto Freyre não esteja mais aqui entre nós. Se estivesse, incluiria mais um capítulo em seu clássico “Casa Grande & Senzala” intitulado “O caso Lula”.

O “Caso Lula” é o seguinte. É impossível entender o Brasil sem conhecer o seu passado. Dos 517 anos de história temos 388 de escravidão. Ou seja, temos muito mais tempo como país de escravos do que país de pessoas livres. Isso fez com que se formasse esse abismo entre a Casa Grande e a Senzala – entre as classes altas e as classes baixas.

Tudo isso que estamos vivendo hoje é consequências dos 388 anos de escravidão e do jeito que ela acabou. Os escravos foram simplesmente jogados no meio da rua, sem planejamento, sem nada. Foram morar na rua. Foram morar em favelas. Foram assaltar. Foram morar debaixo de ponte. E eles se multiplicaram. E hoje estão aí nos morros do Rio, estão matando e sendo mortos, ou mendigando, ou fumando crack.

O que estamos vendo na rua hoje não vem de Lula, vem de Dom Pedro II. Somos um país escravocrata. O nosso sentimento de cobiça é maior do que o de solidariedade. Nós queremos levar vantagem tudo. Nós queremos ganhar com gol de mão.

Isso de dizer que o Sergio Cabral acabou com o Rio é uma grande bobagem. O que acabou com o Rio e está acabando com o Brasil é que a Senzala não acabou com o fim da escravidão, a senzala aumentou. Agora todos fazemos parte da Senzala, nós, pretos e brancos, católicos e judeus, nós que não somos da elite que está no poder e que é a Casa Grande e que só saiu do poder – embora sempre compartilhando – nos governos Lula e Dilma. Lula ainda os deixou mais à vontade, mas Dilma foi durona, eles ficaram assustados e no susto botaram a Dilma pra fora do palácio.

Nós somos a Senzala, que ganha cada vez menos, enquanto a Casa Grande fica mais gorda. A grande questão é essa. O país tem uma massa de dinheiro, resta saber como é dividida, quem consegue ficar com o que, que classe consegue ficar com a maior fatia do bolo, essa é a eterna disputa, seja no império, na república, na ditadura ou na democracia. Com quem ficar a maior fatia, com os ricos ou com os pobres?

Como a Casa Grande é que tem grana para eleger deputados e os deputados fazem as leis que a favorecem – e a eles próprios – ela é que fica com a maior fatia, nem no governo Lula foi diferente, a não ser que a Senzala aumentou um pouco a sua parte.

Então, voltando ao Lula. Desde Dom Pedro II a Casa Grande elege os deputados, faz as leis, compra políticos, mas só quando a Senzala chegou ao poder resolveram investigar. E todos os dedos de todas as mãos que têm os dez dedos se voltaram contra Lula!   A Casa Grande roubar, tudo bem, mas a Senzala, ah, essa não, essa tem que ser honesta.

E vejam só que grande Ladrão Lula é. Não descobriram nenhuma conta secreta na Suíça, não acharam o seu operador, não descobriram quem é o seu carregador de mala, nada disso.

Mas acharam uma poupança de 9 milhões e tiraram dele. Tiraram, não, o Moro tirou. Vai ficar depositado na Justiça, em vez de render juros. E aí insinuaram mil coisas em relação a essa grana que ele recebeu em contrapartida a palestras. Se fosse dinheiro sujo ele não seria idiota de depositá-lo exatamente no Banco do Brasil.

Com ou sem evidências, a Casa Grande já condenou Lula. Com malas e carradas de evidências, a Casa Grande já absolveu Temer.

Não se trata de justiça nem de moralidade, trata-se de afastar a Senzala do poder.

Fonte: Brasil247/Alex Solnik

banner
banner

Faça um comentário

Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog (clique aqui). Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído