Água em Sobradinho cai para 3% e deixa alarmado Ministério de Energia

Área descoberta no meio do Lago de Sobradinho, há 13 km de Sento Sé. Foto: Odair Oliveira

Área descoberta no meio do Lago de Sobradinho, há 13 km de Sento Sé. Foto: Odair Oliveira

A situação alarmante da falta de água do Rio São Francisco levou o Ministério de Minas e Energia (MME) a examinar uma condição extrema para garantir o mínimo de água para o reservatório de Sobradinho, na Bahia.

O ministro Eduardo Braga pediu ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que avalie a possibilidade de reduzir a liberação de água de Sobradinho para apenas 400 metros cúbicos por segundo.

Para se ter uma ideia do que isso significa, trata-se de menos de um terço do volume mínimo que Sobradinho teria de entregar em condições normais, com 1.300 metros cúbicos por segundo.

O maior reservatório da Região Nordeste está com apenas 3% de sua capacidade plena de armazenamento, índice nunca visto desde 1979, quando foi fechado no sertão baiano. “A vazão atual está em 900 metros cúbicos, mas já decidimos reduzir para 800 e estamos em estudos para que caia para 700 metros”, disse Braga.

Segundo o ministro, a previsão é de que o reservatório chegue a apenas 1% de sua capacidade. “O pior cenário é zerar. Faremos o possível para evitar isso.”

Eletrointensivos

A Hidrelétrica de Sobradinho foi escolhida pelo MME para abastecer a demanda das indústrias eletrointensivas da Região Nordeste nos próximos anos. Na Região Sudeste, os eletrointensivos serão abastecidos pela usina de Itumbiara, na divisa entre Goiás e Minas Gerais. A solução era aguardada pelas indústrias, por conta do vencimento de seus contratos com Chesf e Furnas.

Com isso, o impasse de abastecimento de energia das eletrointensivas foi resolvido, sem onerar a conta de luz da população. O acordo passa pelo prolongamento dos contratos de geração das usinas e pela criação de dois fundos, que vão financiar novos projetos nas regiões, com a arrecadação de R$ 26 bilhões no Nordeste e de mais de R$ 20 bilhões no Sudeste.

“Estamos garantindo energia competitiva para o eletrointensivo e equacionamos a situação. Estamos falando de mais de 1.500 megawatts para o eletrointensivo”, disse Braga. Os fundos serão gerenciados por um conselho formado pelos Ministérios de Minas e Energia, Fazenda e Planejamento, além da Eletrobrás e Confederação Nacional da Indústria.

Fonte: Tribuna da Bahia

banner
banner

Faça um comentário

Antes de comentar qualquer matéria leia as regras de utilização do blog (clique aqui). Qualquer comentário que violar as regras será automaticamente excluído